10 DIAS DE ORAÇÃO
NÃO DESISTA DE SUA FAMÍLIA

10 DIAS DE ORAÇÃO – PRIMEIRO DEUS NA FAMÍLIA

27/02 – 6º DIA

NÃO DESISTA DE SUA FAMÍLIA

CONSTRUINDO PONTES DE AMOR – “Notem quão terno e piedoso é o Senhor em Seu relacionamento com Suas criaturas. Ele ama o filho perdido, e suplica-lhe que volte. O braço do Pai enlaça o filho arrependido; as vestes do Pai cobrem seus trapos […]. E, todavia, quantos não há que olham para o pródigo, não somente com indiferença, mas com desprezo!” (Obreiros Evangélicos, p. 140).

“Um espírito brando, uma atitude suave e cativante, pode salvar o errado, e cobrir uma multidão de pecados. A revelação de Cristo no caráter de vocês terá um poder transformador sobre todos com quem entrarem em contato” (O Maior Discurso de Cristo, p. 129).

DIFICULDADES NO CASAMENTO – “Muitas vezes [os recém casados] descobrem no outro fraquezas e defeitos que não suspeitavam: mas os corações que o amor uniu descobrirão também excelências até então desconhecidas. Que todos procurem descobrir as qualidades e não os defeitos. […]

“Embora possam surgir dificuldades, perplexidades e desânimo, nem o marido nem a esposa abrigue o pensamento de que sua união é um erro ou uma decepção. […] Continuem as primeiras atenções. […] Procure cada um promover a felicidade do outro. Haja amor mútuo, mútua paciência. Então, o casamento, em vez de ser o fim do amor, será o seu começo. O calor da verdadeira amizade, o amor que liga coração a coração, é um antegozo das alegrias do Céu. […] Meu irmão, minha irmã, abram o coração para receber a Jesus. Convidem-No a entrar no templo da alma. […], devem ambos unir-se na decisão de vencer, em selar os lábios contra o falar qualquer palavra inoportuna” (Conselhos Para a Igreja, p. 132-134)

CÔNJUGES DESCRENTES – “A pessoa que entrou para a relação matrimonial quando ainda não convertida coloca-se, pela sua conversão, sob uma obrigação maior de ser fiel ao cônjuge, por mais que difiram com respeito à fé religiosa; todavia, as exigências de Deus devem ser postas acima de todo o relacionamento terreno, mesmo que provas e perseguições possam ser a consequência. Com espírito de amor e mansidão, esta fidelidade pode ter influência no sentido de ganhar o descrente” (Conselhos Para a Igreja, p. 127).

QUANDO SURGEM EXIGÊNCIAS ABSURDAS – “O assunto a ser resolvido agora é: a esposa vai se sentir obrigada a ceder sem pensar às exigências de seu marido, até mesmo quando ela vê que nada, além de paixões vis o dominam, e quando a razão e juízo dela estão convencidos de que ela faz isso com prejuízo de seu próprio corpo, o qual Deus ordenou que ela possuísse em santificação e honra, com o fim de preservá-lo como um sacrifício vivo a Deus?” (Conselhos Para a Igreja, p. 139).

“Satanás procura rebaixar a norma de pureza e enfraquecer o autocontrole dos que se casam, porque sabe que enquanto as paixões subalternas estão em ascendência, as faculdades morais se tornam seguramente mais fracas, e ele não precisa preocupar-se com o crescimento espiritual deles. Ele sabe também que de nenhuma outra maneira pode estampar melhor a sua própria imagem odiosa na descendência deles, e que assim pode moldar mais facilmente o caráter dos filhos do que o caráter dos pais” (Conselhos Para a Igreja, p. 138).

“Quando a mulher sujeita o corpo e o espírito ao domínio do marido, sendo passiva diante da vontade dele em tudo, sacrificando sua consciência, dignidade e mesmo personalidade, perde a oportunidade de exercer aquela poderosa influência que deveria possuir para o bem, a fim de elevar o marido” (Conselhos Para a Igreja, p. 140).

LIDANDO COM OS ERROS DOS FILHOS – “Não é fácil ensinar e educar filhos sabiamente. Ao procurarem os pais conservar diante deles o juízo e o temor do Senhor, surgirão dificuldades. Os filhos mostrarão a perversidade que está no coração deles. […] Muitos pais, em vez de punirem os filhos por essas faltas, fazem-se cegos […]. Continuam, portanto, os filhos com suas práticas enganosas, formando um caráter que Deus não pode aprovar. […] Aqueles que seguem as próprias inclinações, com uma afeição cega para com seus filhos, condescendendo com eles na satisfação de seus desejos egoístas, e não fazem uso da autoridade de Deus para repreender o pecado e corrigir o mal, tornam evidente que estão honrando seus ímpios filhos mais do que a Deus” (Orientação da Criança, p. 233, 235).

“O mundo está repleto de influências corruptoras. […] Se a mãe falta em seu dever de instruir, guiar e restringir, seus filhos naturalmente aceitarão o mal, e se desviarão do bem. Que toda a mãe vá muitas vezes ao seu Salvador com a oração: “Ensina-nos, o que faremos pela criança?” Atenda ela à instrução que Deus dá em Sua Palavra, e lhe será dada sabedoria conforme a necessitar” (Conselhos Para a Igreja, p. 147).

“Quão terrível será, no último e grande dia, ver que aqueles com os quais nos associávamos em família se acham separados de nós para sempre; ver os membros de nossa família, talvez nossos próprios filhos, sem estarem salvos […]. Então dirigiremos a nós mesmos a pergunta: Foi porventura por causa de minha impaciência, minha disposição não cristã, […] que a religião de Cristo se tornou para eles desagradável?” (Serviço Cristão, p. 91, 92).

IRRITAÇÃO JAMAIS AJUDA – “Ficar irado com a criança que erra é aumentar o mal. Isso desperta as piores tendências da criança e a leva a pensar que vocês não se importam com ela. […] Vocês julgam que Deus não toma conhecimento do modo pelo qual essas crianças são corrigidas? Ele sabe. E sabe também quais poderiam ser os benditos resultados, se o trabalho de correção fosse feito de modo a conquistar, em vez de repelir” (Orientação da Criança, p. 245).

“Nunca permitam que seu filho ouça vocês dizerem: “Não sei o que fazer com você.” Enquanto pudermos ter acesso ao trono de Deus, devemos, como pais, envergonhar-nos de pronunciar essas palavras. Clamem a Jesus, e Ele os ajudará a levar seus filhos a Ele” (Orientação da Criança, p. 238).

AUXÍLIO DIVINO – “Deus abençoará uma disciplina justa e correta. Mas ‘sem Mim’, diz Cristo, ‘vocês não podem fazer nada’ (Jo 15:5). A Inteligência celestial não pode cooperar com os pais e mães que estão negligenciando educar os filhos” (Orientação da Criança, p. 232).

“Pais, apanhem os raios de luz divina que estão brilhando em seu caminho. Andem na luz, como Cristo na luz está (1Jo 1:7). Ao se entregarem à obra de salvar seus filhos e manter sua posição no caminho da santidade, as mais provocantes provas sobrevirão. Mas não desanimem. Apeguem-se a Jesus. Ele diz: ‘Que homens se apoderem da Minha força e façam paz comigo; sim, que façam paz comigo’ (Is 27:5). Dificuldades sobrevirão. Vocês encontrarão obstáculos. Olhem constantemente para Jesus” (O Lar Adventista, p. 207, 208).

“Nesta obra todos os anjos do Céu estão prontos a cooperar. Todos os recursos do Céu estão à disposição dos que procuram salvar os perdidos. […] E, quando alguém é reconduzido a Deus, todo o Céu se alegra” (Parábolas de Jesus, p. 197).

MOTIVO DE ORAÇÃO – Ore pela salvação da sua família.

#PrimeiroDeus – #rpsp Marcos 5 / O Desejado de Todas as Nações, cap. 14 – #LESAdv

Saiba mais em

adv.st/10diasoracao